Mioma

mioma uterino

Mioma Uterino

Os miomas são nódulos benignos de tecido muscular que aumentam ou deformam o útero e, as vezes o colo. Miomas se originam das células de músculo liso da parede do útero. Na maioria dos casos existem miomas múltiplos, mas ocasionalmente pode ocorrer um mioma único.. Foto Estima-se que ocorram miomas uterinos em uma em cada quatro mulheres americanas. . Geralmente, miomas tendem a se desenvolver nas mulheres que estão entre 30 e 40 anos de idade, e diminuem depois da menopausa. A maioria não requer tratamento. No entanto, podem causar sangramento uterino excessivo, dor, sensação de pressão em baixo ventre, e, menos frequentemente, esterilidade, aborto, e parto prematuro.

mioma uterino

Causas do Mioma Uterino

Elevados Níveis de Estrógeno A causa exata dos miomas não é clara, mas há evidencias que necessitem de estrógeno para crescer. Por exemplo, crescem com maior velocidade durante a gravidez quando o corpo produz mais estrógeno. Durante a menopausa quando os níveis de estrógeno diminuem, o crescimento dos miomas diminuem.

Tipos de Miomas Uterinos

Podem ser divididos em três categorias: Subserosos : se localizam na parede externa do útero, respondem por 55% dos casos. Intramurais: são encontrados nas camadas musculares da parede uterina, 40% dos casos. Submucosos: localizam-se dentro da cavidade uterina, somente 5%.

Miomas Uterinos

Mioma Sintomas

Muitas mulheres com miomas não têm sintomas. No entanto, aproximadamente um terço possuem sangramento uterino anormal, sensação de pressão ou dor na parte baixa do abdome, ou a presença de uma tumoração palpável.

Sangramento Uterino Anormal Este é o sintoma mais comum e está presente em um terço à metade das mulheres que necessitam cirurgia. Grandes miomas podem aumentar a cavidade uterina, e isto cria uma grande área para o sangramento menstrual. Miomas também alteram a circulação local fazendo com que o endométrio sangre excessivamente.

Dor do Mioma no Útero

Quando um mioma começa a crescer rapidamente, sua necessidade de suprimento sangüíneo aumenta e às vezes se torna insuficiente , podendo levar o mioma à um processo de degeneração.Isto leva à uma dor bastante aguda e as vezes à uma cirurgia de urgência. A degeneração miomatosa não raramente ocorre na gravidez porque os miomas crescem rapidamente jä que os níveis de estrógeno estão elevados.
Compressão de orgãos adjacentes: Grandes miomas podem produzir pressão em vários órgãos pélvicos como a bexiga, ureteres e reto. Consequentemente, a necessidade de urinar frequentemente pode ocorrer em razão da menor capacidade da bexiga. A contínua compressão desses órgãos pode também causar danos nos rins se os miomas não forem removidos. Quando localizados na parte baixa do útero, podem comprimir o intestino grosso e reto, o que pode resultar em obstipação ou hemorróidas.

MIOMAS E A ESTERILIDADE

Miomas podem contribuir para um problema de esterilidade. No entanto, são causa de apenas de 2 a 3% dos casos de esterilidade. Por isso, mulheres e seus parceiros devem fazer uma minuciosa investigação para identificar adicionais causas dos problema de fertilidade. Esterilidade pode resultar de miomas por diversas razões. Mudanças no endométrio podem fazer com que a parede uterina não esteja preparada de forma correta para que o óvulo fertilizado se prenda à ela. Uma ou ambas as trompas de Falópio podem ser comprimidas ou bloqueadas, impossibilitando a chegada dos espermatozoides ao óvulo. O aumento do risco de abortos e parto prematuro podem ser associados aos miomas, dependendo do tipo, tamanho e localização dos mesmos.

Diagnóstico do Mioma

Os miomas podem geralmente ser diagnósticados durante o exame ginecológico. No entanto, como os miomas podem ser confundidos com tumores ovarianos, massas intestinais e gravidez prematura, provavelmente será necessária a utilização de outros exames, tais como:
Ultra-som: O ultra-som, mais utilizado atualmente é o vaginal, é bastante preciso e fornece dados indispensáveis como: número, tamanho e localização dos miomas. Este exame é indispensável tanto para o diagnóstico quanto para a conduta terapêutica que se vai tomar.
Histerossalpingografia: Procedimento radiológico utilizado nos casos de infertilidade. Trata-se de Rx contrastado do interior do útero e das trompas. Desta forma, o médico pode determinar se existe deformidade e/ou compressão causada por miomas na cavidade uterina ou trompas de Falópio.
Laparoscopia Diagnóstica: A laparoscopia diagnóstica pode ajudar o médico a fazer um diagnostico definitivo e pode, ser utilizada para remover miomas, após seu diagnóstico.
Histeroscopia Diagnóstica: A histeroscopia diagnóstica é muito útil para detectar a presença de miomas submucosos.
Histerossonografia Com a histerossalpingografia: um pequeno cateter é colocado dentro do útero para introduzir gota a gota 15-20 cc de soro durante um ultra-som. Isto aumenta a facilidade de identificação dos miomas submucosos que se protuberam para dentro da cavidade uterina.
Tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética: Exames sofisticados e raramente utilizados no diagnóstico dos miomas, somente solicitados em caso duvidosos e complexos.Não fazem parte da rotina na investigação dos miomas.

tratamento de mioma

Tratamento

Acompanhamento na maioria do tempo, os miomas não necessitam tratamento. Se uma mulher não tem dor, sensação de pressão, esterilidade, ou sangramento excessivo, exames ginecológicos periódicos e a solicitação de ultrasonografia são geralmente suficientes para se saber se ha alguma mudança significante no tamanho do mioma.

Tratamento medicamentoso

Os análogos de GnRH são usados temporariamente na redução do tamanho de miomas.São drogas que produzem um bloqueio hormonal, diminuindo a produção de estrogênio pelos ovários e induzindo a mulher à uma menopausa temporária. Com isso os miomas podem reduzir em até 30 a 40% em volume, mas após 3 meses de interrupção do tratamento os mesmos voltam à seu tamanho original. Tem uma grande utilidade na preparação pré operatória pois ao diminuir o tamanho de miomas possibilitam que se tenha uma cirurgia tecnicamente melhor com menor sangramento. Permitem ainda que se recupere pré operatória mente pacientes anemiadas, devido à sangramento excessivo, uma vez que as menstruações cessam se fizermos reposição de ferro às mesmas ficam aptas à cirurgia mais rapidamente.

Tratamento Cirúrgico

Miomectomia (cirurgia de retirada dos miomas) Miomas que causam sintomas significantes ou miomas que crescem rapidamente podem ser casos de cirurgia. A remoção apenas dos miomas, é chamada miomectomia. Este tipo de cirurgia é feita com mais frequência quando a mulher deseja ter uma gravidez futura ou quando ela deseja manter seu útero. Hoje em dia, ha diversas opções disponíveis para este tipo de cirurgia. Na maioria dos casos, o tamanho e a localização dos miomas vai determinar o tipo apropriado de técnica cirúrgica.

Laparoscopia Histeroscopia

Laparoscopia e Histeroscopia

Consiste na abertura da parede abdominal para se remover os miomas. Indicada quando existem miomas de grande volume, principalmente os intra murais acima de 6cm , em pacientes com desejo de gestação futura. Geralmente o tempo de recuperação é de quatro a seis semanas. Após este tipo de cirurgia, deve-se esperar um ano para engravidar e o parto só pode ser feito por cesariana, pois a parede muscular do útero fica enfraquecida pela remoção de vários miomas grandes,apesar da reconstituição minuciosa através de sutura da parede uterina.

Histeroscopia Operatória

Histeroscopia Operatória

Miomas submucosos são removidos com a histeroscopia operatória. Durante este processo, o médico vai inserir um histeroscópio através do canal cervical dentro do útero. Pelo fato de se operar usando um acesso natural ao interior da cavidade uterina o procedimento é praticamente indolor. Geralmente, a mulher pode retornar às suas atividades normais dentro de dois dias depois deste tipo de cirurgia, e complicações são raras.

Laparoscopia

Laparoscopia Operatória

A laparoscopia operatória é largamente usada para remover miomas subserosos e intramurais. A indicação deste procedimento para miomas múltiplos e que necessitem de sutura da área de ressecação dependem da experiência da equipe cirúrgica. Hoje é aceito que miomas de 6 cm ou mais não devem ser extirpados por laparoscopia e sim por laparotomia, ou pela associação das duas técnicas. É realizada a laparoscopia para a retirada dos miomas da parede uterina em seguida procede-se à uma mini- laparotomia (incisão no abdômen de 5cm em média) pela qual são retirados os miomas e é executada a reconstituição da parede uterina.

Histerectomia

Histerectomia

Se uma mulher tem grandes miomas que são sintomáticos, e não deseja engravidar, uma histerectomia ou remoção cirúrgica do útero pode ser recomendada. Uma histerectomia vaginal, que remove o útero através da vagina, ou uma histerectomia abdominal, que requer uma laparotomia, ou a histerectomia laparoscópica que não requer a abertura do abdômen podem ser realizadas. O tempo de internação é de 3 dias e a recuperação de 4 semanas na cirurgia convencional. Na histerectomia laparoscópica o tempo de internação é de 1 dia e a recuperação de 7 a 10 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *