Eclâmpsia

eclampsia

PRÉ-ECLÂMPSIA E ECLÂMPSIA

Temos aqui uma séria doença que pode ocorrer durante a gestação, havendo ainda muitas dúvidas quanto a sua presença resta apenas o diagnóstico precoce que pode e deve ser realizado durante o pré-natal, visando a melhor saída possível para o bem estar da mãe e do feto.

pre eclampsia

Ela resulta de uma má adaptação circulatória que resulta de uma interação anormal entre a gestante e seu futuro(a) filho(a), que culmina na redução do aporte de sangue para o útero que pode chegar a 40-60%.

A nível molecular o que presumivelmente ocorre é uma desproporção entre a troboxana e a prostaglandina, como visto na figura abaixo:

Esta desregulação é prejudicial para a irrigação sanguínea da placenta uma vez que a tromboxana fecha os vasos e promove a agregação plaquetária e a atividade uterina, o que bloqueia a chegada de oxigênio e nutrientes essenciais.

Pré eclampsia Sintomas

Mas esta doença não ataca apenas o útero e a placenta, ela promove danos em vários sistemas do organismo:
a) rins: diminui a filtração e aumenta o ácido úrico;
b) coração: hipertensão;
c) fígado: necrose se a doença for muito grave;
d) cérebro: necrose, hemorragia e até descolamento de retina;
e) sangue: diminui o número de plaquetas pois elas são muito usadas.

Diagnóstico

É caracterizada pelo aumento da pressão arterial após a 24ª semana de gestação, sendo acompanhada de “inchaços” pelo corpo com aumento de peso, saída de proteína na urina e aumento de ácido úrico no sangue.

Eclâmpsia

Tratamento ECLÂMPSIA

Ele depende da gravidade da doença, podendo-se dividí-la em:
a) pré eclâmpsia leve moderada: é a forma sem muitas complicações;
b) pré eclâmpsia grave: nesta a pressão arterial é maior que 160 X 110 mmHg, há muita saída de proteína na urina, a quantidade de urina diminui, rim passa a filtrar menos, ocorrem sintomas cerebrais (grande sonolência fora de horários de dormir e sem cansaço ou fadiga evidentes, visão dupla e cegueira), dor epigástrica, anemia, diminuição das plaquetas e dano no fígado;
c) eclâmpsia: junto com os sinais e sintomas descritos na grave, se junta à convulsão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *