Lábio Leporino

Lábio Leporino

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) comemora o credenciamento do Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP) como referência Norte/Nordeste para o atendimento aos portadores de fissuras palatais (lábio leporino). Por meio da Portaria nº 681 do Ministério da Saúde, publicada no último dia 30 de setembro, foi autorizada a implantação do Núcleo de Atendimento nos Defeitos da Face – Portadores de Fissuras Lábio- Palatais do IMIP. Na unidade, agora está sendo disponibilizado todo o tratamento da patologia – que até então só era realizado no Hospital de Reabilitação de Anomalias Crânio-Faciais, em Bauru, São Paulo – e a cirurgia.

Lábio Leporino

O credenciamento da unidade foi resultado do êxito obtido pelo projeto técnico elaborado pela SES para realização do mutirão de atendimento aos pacientes de fissuras lábio- palatais – o primeiro a ser realizado em todo o País- , ocorrido de março a setembro deste ano. Realizado no Imip, o mutirão que tinha como meta o atendimento de 600 pacientes, atendeu mais de 700 pessoas no Estado. Durante o mutirão, foram realizadas cirurgias, colocados aparelhos ortodônticos e estabelecidos planos de tratamento que agora poderão ser realizados no Núcleo.

 

O serviço conta com uma equipe multiprofissional que envolve clínicos, pediatras, cirurgiões, fonoaudiólogo, psicólogo, otorrinolaringologista, odontologista pediátrico, odontologista clínico e ortodontista. Inicialmente, o paciente será atendido pela equipe de diagnóstico, para definição do plano de tratamento. A SES terá a função de supervisionar a cada seis meses o serviço e irá estabelecer a forma de orientação em todas as unidades públicas e privadas para que os nascidos com essa anomalia sejam encaminhados ao Imip, para iniciar o tratamento o mais rápido possível.

Anomalia – As fissuras Lábio Leporino são malformações genéticas que ocorrem, geralmente, em torno da quarta e décima segunda semana de vida intra-uterina. São caracterizadas por anomalias no lábio e/ou palato (céu da boca), que podem ser detectadas por meio da ultrassonografia. Entre as dificuldades pelas quais passa o bebê fissurado está a dificuldade para se alimentar, apresentando problemas na sucção, vômitos abundantes, engasgamentos e asfixias.

fissuras palatais

Tratamento Lábio Leporino

O tratamento desse tipo de anomalia deve ser iniciado aos três meses de vida, quando é feita uma cirurgia de lábio. Aos nove meses faz-se uma cirurgia de palato (céu da boca). Entre oito e nove anos é colocado um aparelho ortodôntico para alinhamento dos dentes e, em alguns casos, também é necessária uma cirurgia de nariz. No término do tratamento, o paciente poderá ser submetido a uma cirurgia de ortognática (para colocar o maxilar e a mandíbula em contato).

Durante todo esse período, o paciente deverá estar sendo acompanhado por um dentista, fonoaudiólogo e psicólogo. Além disso, os pais também deverão ser orientados e acompanhados, pois muitas vezes esse tipo de anomalia gera preconceito perante a sociedade, apesar dos portadores serem totalmente normais. A anomalia pode também ser detectada desde a gestação, sendo identificada em exame de ultrassonografia, podendo assim já ser iniciado o tratamento psicológico da mãe.

Infecção urinária em Crianças 

Serviço: Núcleo de Atendimento nos Defeitos da Face – Portadores de Fissuras Lábio- Palatais do IMIP. Atendimento às segundas-feiras, de 7h às 12h. As consultas podem ser agendadas pelo telefone 3231-0328.

Infecção Urinária em crianças

Infecção Urinária em Crianças

A Infecção urinária em crianças é frequente na infância, com maior preponderância no sexo feminino. O seu diagnóstico e tratamento adequado são importantes para prevenir a evolução para uma infecção renal (pielonefrite) ou infecção generalizada (sépsis), e para evitar consequências tardias como as cicatrizes renais e a insuficiência renal.

infecção urinária em crianças

Como aparece a infecção urinária em crianças?

As infecções urinárias podem surgir de duas formas distintas: uma através de bactérias que contaminam o sangue e infectam secundariamente o aparelho urinário (via hematogênese), e outra, mais frequente, a partir de bactérias presentes na região do períneo (zona que rodeia o ânus e os genitais), que a partir da abertura da uretra infectam outras zonas do aparelho urinário (via ascendente).

A primeira forma de infecção (via hematogênese) é característica do 1º mês de vida. Depois dessa idade a grande maioria das infecções urinárias faz-se por via ascendente.

A possibilidade de infecção por via ascendente está associada não só a deficiente higiene do períneo (onde se encontram micro organismos da flora intestinal transportados nas fezes), como a proliferação de bactérias se existem condições que facilitam a permanência prolongada da urina na bexiga (tais como o esvaziamento pouco frequente ou incompleto da bexiga ou a existência de anomalias do aparelho urinário).

Porque razão a infecção urinária é mais frequente no sexo feminino?

A infecção urinária é mais frequente no sexo feminino por razões anatômicas, já que as meninas têm uma uretra mais curta, facilitando a passagem de bactérias do exterior para o interior da bexiga.

No sexo masculino, a fimose (aperto do prepúcio, que é a pele que envolve a extremidade do pénis) ou as aderências do prepúcio associadas a uma higiene deficiente desta região, podem também favorecer as infecções urinárias por via ascendente, mas em número inferior às que afetam as meninas.

tratamento infecção urinária

Como se manifesta a infecção urinária em  criança?

Um dos problemas que o diagnóstico das infecções urinária apresenta é a sua sintomatologia pouco específica nas crianças mais pequenas. Assim, podemos considerar diferentes formas de apresentação consoante a idade da criança.

Durante o primeiro ano de vida a infecção urinária pode manifestar-se por febre, deficiente aumento de peso, recusa alimentar, vômitos, diarreia e urina com mau cheiro.

Dos dois aos seis anos, além da febre, vômitos, diarreia e dor abdominal, é possível encontrar sintomas mais específicos, como o aumento das idas à casa de banho para urinar, ardor a urinar e dificuldade ou impossibilidade de controlar a saída da urina (enurese). Para dificultar o quadro, as meninas desta idade têm frequentemente irritação da região genital (vulva), que pode causar também ardor durante a micção sem que haja infecção.

Nas crianças mais velhas, os sintomas são semelhantes aos do adulto com predomínio das queixas urinárias, como ardor ao urinar e aumento da frequência das micções.

Como se faz o diagnóstico de infecção urinária?

Perante a suspeita de uma infecção urinária em criança, o médico pede uma análise de urina colhida para um recipiente esterilizado (urino cultura) para tentar identificar a presença de bactérias. No caso de o resultado ser positivo, aproveita-se a mesma amostra de urina para testar a sensibilidade de diferentes antibióticos para a bactéria isolada, selecionando os mais eficazes para o tratamento da infecção.

Que consequências pode ter uma infecção urinária?

Embora a maioria das infecções urinárias precocemente diagnosticadas e corretamente tratadas evoluam para a cura sem complicações, sabe-se que 5 a 10% das crianças com infecção urinária sintomática acompanhada de febre ficam com cicatrizes renais. As infecções repetidas, incorretamente tratadas ou de maior gravidade, podem originar complicações tardias, como a hipertensão ou a insuficiência renal.

A infecção urinária com envolvimento renal (pielonefrite) pode provocar uma disseminação das bactéria através do sangue causando uma infecção generalizada e grave (sépsis). A probabilidade de isto suceder é bastante superior nos três primeiros meses de vida, motivo pelo qual as crianças dessa idade com infecção urinária e febre devem ser internadas para melhor vigilância do tratamento e da evolução da infecção.

Veja aqui tudo sobre Mimar Crianças

Penico Infantil

Penico Infantil

Provavelmente seu filho terá controle sobre seu intestino antes de ter sobre a bexiga, por isso é melhor começar a treiná-lo a fazer cocô. O uso do penico nesse primeiro momento é mais indicado do que tentar fazer a criança sentar no vaso sanitário que é grande e ameaçador para a maioria dos baixinhos. Assim que a criança der sinais de que quer evacuar, tire sua roupa e sente-a no penico infantil.

penico infantil

Então é o momento de ter paciência e de não apressar a criança. Uma boa ideia é oferecer a ela um livro para folhear, mas não deixe brinquedos à vista pois eles podem distrair a criança e fazer com que ela queira levantar-se antes da hora. Quando ela acabar, limpe seu bumbum, sempre da frente para trás, e elogie seu desempenho.

Nunca force uma criança a sentar-se no penico. Se a criança não parecer interessada em sentar-se ali, deixe passar mais alguns dias e tente novamente. Forçar as coisas em um momento como esse só trará prejuízos já que se a criança ligar o penico a algo ruim aí mesmo é que não vai querer sentar-se ali tão cedo. Lembre-se: por mais improvável que possa parecer no momento, seu filho logo logo vai aprender a usar o penico.

Quando eu posso esperar que meu filho tenha controle sobre sua urina e fezes ?

O controle sobre o movimento da bexiga e do intestino normalmente vem em algum ponto entre os 15 e os 18 meses, podendo demorar até os 24 meses sem que isso represente um problema. Não há como forçar uma criança a aprender a usar o banheiro antes que seu corpo esteja pronto para isso. As meninas, em geral, adquirem controle sobre a urina antes dos meninos. Os pais tendem a criar uma grande expectativa em torno desse assunto e é normal que queiram ver seus filhos se desenvolvendo bem. Mas é importante que mamães e papais se lembrem que as crianças são muito sensíveis ao nosso comportamento e percebem nossa ansiedade de longe, o que só contribui para sua própria ansiedade e insegurança.

O melhor caminho é tratar esse assunto com naturalidade e deixar cada criança descobrir seu momento de deixar de lado as fraldas e partir para o uso do penico.

Mictório Infantil

Descubra tudo sobre Criança Mimada – Clicando Aqui

Mimar

Mimar

O amor de uma mãe por seu filho é o sentimento mais intenso e incondicional que o ser humano conhece. A maioria das mães sempre põe os interesses do filho antes dos seus e muitas se sacrificam pelo bem estar da criança. Esse é um comportamento normal e não significa que a criança vai mimar.

mimar

Os problemas começam quando os pais fazem da criança o único centro de suas vidas. Essas crianças são levadas a acreditar que são o centro do universo e que não há nada mais importante do que ver seus desejos atendidos.
Na verdade a criança mimada “manda” nos pais já que eles estão sempre prontos a atender seus desejos, mesmo aqueles mais fúteis.

Criança Mimada

É preciso mostrar a criança que o mundo não gira a sua volta e que, por mais que a mamãe e o papai a amem e tentem fazer de tudo para agradá-la, há outros interesses em jogo. A criança tem que entender que seus desejos têm que se acomodar entre os desejos dos pais, dos irmãos e dos coleguinhas de escola. Por mais que ela queira o videogame, ela terá que esperar o Natal que é quando o papai poderá comprar o brinquedo. E ponto final.
Muitos pais que têm uma boa condição financeira se sentem culpados em dar sempre os brinquedos e roupas que as crianças pedem.

Os presentes em si não são os responsáveis por deixar a criança mimada. É a postura dos pais que faz isso. Se os pais podem, não há nada de mais em presentear o filho com o videogame de última geração ou dar à filha a boneca mais cara, desde que as crianças saibam o valor que tais presentes têm.

Veja aqui tudo sobre Carboidratos na alimentação infantil

Agora, comprar brinquedos sem nem mesmo a criança pedir e correr para substituir um brinquedo que a criança quebrou por outro novo na mesma hora são atalhos certos para se criar pessoas mimadas e sem noção da realidade.

Mimada significado

Carboidratos

Carboidratos: Fonte de Energia

Para muitas de nós, mães acostumadas a viver vigiando o peso e prestando atenção na dieta, os carboidratos podem soar como verdadeiros vilões. Mas a verdade é que o ser humano – e em especial a criança – não pode viver sem esse nutriente já que os carboidratos são a fonte primária da energia utilizada pelo organismo. Isso mesmo, assim como todos os seres vivos, nós precisamos de energia para realizar as tarefas do dia-a-dia.

carboidratos

Tanto aquelas tarefas que realizamos conscientemente como ler, andar ou pedalar uma bicicleta como as que nosso corpo realiza sem a nossa interferência como os batimentos cardíacos e a respiração. Todas essas tarefas só são possíveis se nosso organismo tiver energia para gastar. Por isso, a dieta da criança deve sempre conter carboidratos, preferencialmente aqueles chamados complexos, como os presentes nas batatas, massas e pães. Além disso, outra ótima fonte de carboidratos são as frutas e os sucos pois além desse nutriente eles fornecem vitaminas, minerais e fibras alimentares.

Se o organismo da criança não tiver acesso a esses alimentos, terá que conseguir energia por outros meios. É aí que começa a queima das gordurinhas armazenadas. A princípio não há mal algum nisso, afinal, as gordurinhas estão ali para isso mesmo mas, com o passar do tempo, se o organismo da criança for sistematicamente privado de carboidratos em quantidades suficientes, o desenvolvimento da criança pode ficar prejudicado, como um motor que fica sem combustível.
Por isso, nunca deixe de incluir massas, tubérculos e açúcares (de preferência proveniente das frutas) no cardápio dos pequenos.

Só não vale exagerar na mão e encher a criança de biscoitinhos, docinhos e balas. Esses alimentos contém principalmente carboidratos simples que, embora também forneçam energia, são bastante prejudiciais à criança. Isso porque eles dispensam o processo digestivo, sendo absorvidos rapidamente pelo organismo e contribuindo em muito para o acúmulo de gordura.
Como se vê, embora indispensáveis, os carboidratos devem ser utilizados de maneira consciente pois, se oferecidos à criança em exagero, podem levar à obesidade infantil, que é um quadro bastante sério e que pode acarretar outros problemas como a diabete e a hipertensão na fase adulta.

Descubra tudo sobre Epidural – Clicando Aqui.

Amamentar

Amamentar

Algumas mães têm a certeza de que irão amamentar seus bebês no peito enquanto outras, desde a gravidez, já sabem que irão usar a mamadeira. Há ainda outras mulheres que não se sentem tão certas sobre o que pretendem fazer já que gostariam de usar a mamadeira mas sabem que o leite materno é melhor.

amamentar

Essa é uma decisão muito íntima, que envolve fatores psicológicos e físicos. Muitas mães se sentem pressionadas pela sociedade para amamentar enquanto em seu íntimo prefeririam não o fazer. Outras gostariam de dar de mamar mas sabem que terão que voltar logo ao trabalho. Os sentimentos do pai também têm que ser levados em conta já que o ato de aleitar deve ser sobretudo um ato de amor, o que não acontece se a mãe e o pai estão ressentidos sobre o assunto. Embora seja de aceitação geral que o leite materno é o melhor alimento para o bebê, as fórmulas dos leites infantis estão cada vez melhores e nenhuma mãe deve se sentir obrigada a dar de mamar ao filho contra a vontade.

Por isso, embora seja verdade que em um mundo ideal todas as mães amamentariam seus filhos no peito, a vida nem sempre transcorre dessa maneira e é importante levar em consideração as vantagens de cada um dos dois métodos antes de fazer uma escolha definitiva.

como amamentar

  • Como amamentar

    1 – O leite materno é indiscutivelmente o melhor alimento para os bebês;
    2 – O leite materno tem sua composição variável, de acordo com as mudanças nas necessidades nutricionais do bebê;
    3 – A digestão do leite materno é mais fácil;
    4 – Os bebês amamentado no peito têm menos alergias;
    5 – Os bebês amamentados no peito têm menos propensão à obesidade;
    6 – O ato de sugar o peito ajuda no desenvolvimento da boca do bebê;
    7 – Dar o peito é mais cômodo do que esterilizar mamadeiras, preparar e esquentar várias mamadeiras por dia;
    8 – O leite materno é grátis;
    9 – Amamentar ajuda a mãe a voltar a forma mais rápido;
    10 – Alguns estudos ligam a amamentação à diminuição da incidência de câncer no seio.

  • Usando a Mamadeira

    1 – O pai pode participar da alimentação do bebê desde o início o que pode significar a criação de um elo muito forte entre eles;
    2 – A mãe que alimenta seu bebê com a mamadeira tem maior liberdade já que não precisa estar em casa a cada 2 ou 3 horas;
    3 – É mais fácil de controlar a quantidade ingerida em uma mamadeira do que no peito;
    4 – A mãe que não amamenta pode voltar a utilizar a pílula anticoncepcional logo;
    5 – Para muitas mães ter seu corpo só para si de novo é uma sensação benvinda depois de dividi-lo por nove meses;
    6 – Ao fazer amor o casal não será interrompido por respingos de leite.

    Esses são os fatos, mas para muitas mulheres a decisão final só será tomada depois da experiência em si. O ato de amamentar é muito forte e pode fazer mudar de idéia mesmo quem tinha certeza que não queria fazê-lo. Por outro lado, uma mulher que em tese desejava amamentar pode não gostar do ato em si e resolver adotar a mamadeira.

    Vale ainda lembrar que os dois métodos de alimentação não são auto excludentes, ou seja, não há a necessidade de se escolher um em detrimento do outro. Muitos bebês se ajustam muito bem a ambos e alternam mamadas no peito e na mamadeira sem nenhum problema. Há ainda a saída das bombas de tirar leite que podem ser a solução para aquelas mulheres que querem amamentar mas têm que trabalhar durante o dia.

     

     

    O importante é sempre ter em mente que o momento de alimentar seu bebê deve ser um momento tranqüilo, de troca de carinho entre o bebê e a mãe ou o pai ou quem quer que o esteja alimentando. Se o bebê for criado em um ambiente assim ele terá excelentes chances de crescer forte e sadio, não importando o leite que lhe seja oferecido.

Precisando de algumas dicas para Enxoval – Clique aqui e descubra.

Algumas dicas caso você esteja em dúvida sobre o Leite Materno e o Artificial:

Vitamina para Criança

Vitamina para Criança

Uma preocupação comum entre as mamães é saber se seus filhotes estão ingerindo quantidades suficientes de vitaminas. E essa preocupação tem fundamento.

As vitaminas são componentes importantíssimos na dieta dos baixinhos. Entre outras funções, elas têm papel destacado na formação das células do sangue, hormônios, material genético e na química do sistema nervoso.

Além disso,  a Vitamina para Criança que ajudam o organismo a processar as proteínas, que são os “tijolinhos” responsáveis pela construção dos tecidos. Ou seja, não adianta uma alimentação rica em proteínas se as vitaminas não estiverem presentes junto, garantindo que as primeiras possam realizar sua importante função.

vitamina para criança

Há duas categorias de vitaminas

A primeira é aquela das vitaminas que são solúveis em água. Fazem parte dessa categoria as vitaminas do complexo B e a vitamina C. Essas vitaminas precisam ser consumidas todos os dias já que o organismo não é muito eficiente em armazená-las. Veja abaixo as principais vitaminas desse grupo e suas fontes e funções:

Vitamina C: É encontrada em frutas cítricas e folhas verdes. É ótima na estimulação do sistema imunológico e auxilia na absorção do ferro e do cálcio.
Vitamina B1: É encontrada em cereais (principalmente em pães enriquecidos), ervilha, feijão e miúdos. Atua no equilíbrio dos sistemas nervoso e cardíaco e auxilia na utilização dos carboidratos pelo organismo.
Vitamina B2: É encontrada em cereais, verduras de folhas verde, ovos, leite e nozes. Atua na manutenção dos tecidos e pele.
Vitamina B6: É encontrada em grãos, gérmem de trigo, carne, fígado, batatas, feijão e banana. Auxilia no desenvolvimento de dentes e ossos e atua na formação das células vermelhas do sangue, além de ajudar o organismo na absorção das gorduras.
Vitamina B12: É encontrada principalmente no fígado, aves, leite e ovos. Auxilia no funcionamento do sistema nervoso e ajuda o organismo a produzir e manter as células vermelhas.

crianca e vitamina

A segunda categoria engloba aquelas vitaminas que são solúveis em gordura. Fazem parte desse grupo as vitaminas A, D, E e K. O organismo é capaz de armazenar essas vitaminas mas isso não quer dizer que elas não precisem fazer parte da dieta diariamente. Veja abaixo as principais vitaminas desse grupo e suas fontes e funções:

Vitamina A: É encontrada nos peixes, óleos vegetais, folhes verde-escuras, clara de ovos e vegetais de cor laranja. Mantém a pele e as mucosas saudáveis e atua na formação dos dentes.
Vitamina D: É encontrada no leite (em especial aqueles fortificados), na clara de ovo e em peixes como o atum. A exposição aos raios solares auxilia na fixação dessa vitamina. É importante na manutenção de dentes e ossos e ajuda na absorção de cálcio e fósforo pelo organismo.
Vitamina E: É encontrada em óleos vegetais, margarinas, amendoim, nozes e folhas verde. Ótima com antioxidante, essa vitamina ajuda na manutenção dos tecidos e na formação das células vermelhas do sangue.
Vitamina K – É produzida pelas bactérias que vivem em nossa flora intestinal através da decomposição dos alimentos que ingerimos. Atua na coagulação sanguínea e na formação óssea.

A maneira ideal de consumir a Vitamina para Criança continua sendo através dos alimentos frescos, de preferência crus. Mas toda mãe sabe o quão difícil pode ser fazer seu filhote comer aquele pratão de salada ou encarar aquelas tão odiadas ervilhas. Por isso, existem hoje no mercado alimentos enriquecidos e fortificados com vitaminas. Os mais comuns são os pães e o leite e seus derivados. Esses alimentos industrializados perdem dos frescos em relação a uma série de fatores (como, por exemplo, a quantidade de fibras alimentares), mas podem ser bons aliados dos pais na hora de garantir que seus pequenos estejam ingerindo quantidades adequadas de vitaminas.

Em todos os casos, é importante não deixar de oferecer verduras, legumes e frutas frescas às crianças sempre. Ainda que a princípio elas sejam rejeitadas, a criança não criará o hábito de comê-las se elas nunca aparecerem em seus pratos!

papinha para bebe

Papinha para Bebê

Quando o bebê passa a rejeitar o leite materno, nasce uma dúvida na cabeça das mamães: que alimento oferecer ao pequeno? Com a grande oferta de leites fortificados e suplementos nutricionais para recém-nascidos e crianças até 5 anos, é difícil escolher. Continue lendo “papinha para bebe”