Lábio Leporino

Lábio Leporino

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) comemora o credenciamento do Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP) como referência Norte/Nordeste para o atendimento aos portadores de fissuras palatais (lábio leporino). Por meio da Portaria nº 681 do Ministério da Saúde, publicada no último dia 30 de setembro, foi autorizada a implantação do Núcleo de Atendimento nos Defeitos da Face – Portadores de Fissuras Lábio- Palatais do IMIP. Na unidade, agora está sendo disponibilizado todo o tratamento da patologia – que até então só era realizado no Hospital de Reabilitação de Anomalias Crânio-Faciais, em Bauru, São Paulo – e a cirurgia.

Lábio Leporino

O credenciamento da unidade foi resultado do êxito obtido pelo projeto técnico elaborado pela SES para realização do mutirão de atendimento aos pacientes de fissuras lábio- palatais – o primeiro a ser realizado em todo o País- , ocorrido de março a setembro deste ano. Realizado no Imip, o mutirão que tinha como meta o atendimento de 600 pacientes, atendeu mais de 700 pessoas no Estado. Durante o mutirão, foram realizadas cirurgias, colocados aparelhos ortodônticos e estabelecidos planos de tratamento que agora poderão ser realizados no Núcleo.

 

O serviço conta com uma equipe multiprofissional que envolve clínicos, pediatras, cirurgiões, fonoaudiólogo, psicólogo, otorrinolaringologista, odontologista pediátrico, odontologista clínico e ortodontista. Inicialmente, o paciente será atendido pela equipe de diagnóstico, para definição do plano de tratamento. A SES terá a função de supervisionar a cada seis meses o serviço e irá estabelecer a forma de orientação em todas as unidades públicas e privadas para que os nascidos com essa anomalia sejam encaminhados ao Imip, para iniciar o tratamento o mais rápido possível.

Anomalia – As fissuras Lábio Leporino são malformações genéticas que ocorrem, geralmente, em torno da quarta e décima segunda semana de vida intra-uterina. São caracterizadas por anomalias no lábio e/ou palato (céu da boca), que podem ser detectadas por meio da ultrassonografia. Entre as dificuldades pelas quais passa o bebê fissurado está a dificuldade para se alimentar, apresentando problemas na sucção, vômitos abundantes, engasgamentos e asfixias.

fissuras palatais

Tratamento Lábio Leporino

O tratamento desse tipo de anomalia deve ser iniciado aos três meses de vida, quando é feita uma cirurgia de lábio. Aos nove meses faz-se uma cirurgia de palato (céu da boca). Entre oito e nove anos é colocado um aparelho ortodôntico para alinhamento dos dentes e, em alguns casos, também é necessária uma cirurgia de nariz. No término do tratamento, o paciente poderá ser submetido a uma cirurgia de ortognática (para colocar o maxilar e a mandíbula em contato).

Durante todo esse período, o paciente deverá estar sendo acompanhado por um dentista, fonoaudiólogo e psicólogo. Além disso, os pais também deverão ser orientados e acompanhados, pois muitas vezes esse tipo de anomalia gera preconceito perante a sociedade, apesar dos portadores serem totalmente normais. A anomalia pode também ser detectada desde a gestação, sendo identificada em exame de ultrassonografia, podendo assim já ser iniciado o tratamento psicológico da mãe.

Infecção urinária em Crianças 

Serviço: Núcleo de Atendimento nos Defeitos da Face – Portadores de Fissuras Lábio- Palatais do IMIP. Atendimento às segundas-feiras, de 7h às 12h. As consultas podem ser agendadas pelo telefone 3231-0328.

Infecção Urinária em crianças

Infecção Urinária em Crianças

A Infecção urinária em crianças é frequente na infância, com maior preponderância no sexo feminino. O seu diagnóstico e tratamento adequado são importantes para prevenir a evolução para uma infecção renal (pielonefrite) ou infecção generalizada (sépsis), e para evitar consequências tardias como as cicatrizes renais e a insuficiência renal.

infecção urinária em crianças

Como aparece a infecção urinária em crianças?

As infecções urinárias podem surgir de duas formas distintas: uma através de bactérias que contaminam o sangue e infectam secundariamente o aparelho urinário (via hematogênese), e outra, mais frequente, a partir de bactérias presentes na região do períneo (zona que rodeia o ânus e os genitais), que a partir da abertura da uretra infectam outras zonas do aparelho urinário (via ascendente).

A primeira forma de infecção (via hematogênese) é característica do 1º mês de vida. Depois dessa idade a grande maioria das infecções urinárias faz-se por via ascendente.

A possibilidade de infecção por via ascendente está associada não só a deficiente higiene do períneo (onde se encontram micro organismos da flora intestinal transportados nas fezes), como a proliferação de bactérias se existem condições que facilitam a permanência prolongada da urina na bexiga (tais como o esvaziamento pouco frequente ou incompleto da bexiga ou a existência de anomalias do aparelho urinário).

Porque razão a infecção urinária é mais frequente no sexo feminino?

A infecção urinária é mais frequente no sexo feminino por razões anatômicas, já que as meninas têm uma uretra mais curta, facilitando a passagem de bactérias do exterior para o interior da bexiga.

No sexo masculino, a fimose (aperto do prepúcio, que é a pele que envolve a extremidade do pénis) ou as aderências do prepúcio associadas a uma higiene deficiente desta região, podem também favorecer as infecções urinárias por via ascendente, mas em número inferior às que afetam as meninas.

tratamento infecção urinária

Como se manifesta a infecção urinária em  criança?

Um dos problemas que o diagnóstico das infecções urinária apresenta é a sua sintomatologia pouco específica nas crianças mais pequenas. Assim, podemos considerar diferentes formas de apresentação consoante a idade da criança.

Durante o primeiro ano de vida a infecção urinária pode manifestar-se por febre, deficiente aumento de peso, recusa alimentar, vômitos, diarreia e urina com mau cheiro.

Dos dois aos seis anos, além da febre, vômitos, diarreia e dor abdominal, é possível encontrar sintomas mais específicos, como o aumento das idas à casa de banho para urinar, ardor a urinar e dificuldade ou impossibilidade de controlar a saída da urina (enurese). Para dificultar o quadro, as meninas desta idade têm frequentemente irritação da região genital (vulva), que pode causar também ardor durante a micção sem que haja infecção.

Nas crianças mais velhas, os sintomas são semelhantes aos do adulto com predomínio das queixas urinárias, como ardor ao urinar e aumento da frequência das micções.

Como se faz o diagnóstico de infecção urinária?

Perante a suspeita de uma infecção urinária em criança, o médico pede uma análise de urina colhida para um recipiente esterilizado (urino cultura) para tentar identificar a presença de bactérias. No caso de o resultado ser positivo, aproveita-se a mesma amostra de urina para testar a sensibilidade de diferentes antibióticos para a bactéria isolada, selecionando os mais eficazes para o tratamento da infecção.

Que consequências pode ter uma infecção urinária?

Embora a maioria das infecções urinárias precocemente diagnosticadas e corretamente tratadas evoluam para a cura sem complicações, sabe-se que 5 a 10% das crianças com infecção urinária sintomática acompanhada de febre ficam com cicatrizes renais. As infecções repetidas, incorretamente tratadas ou de maior gravidade, podem originar complicações tardias, como a hipertensão ou a insuficiência renal.

A infecção urinária com envolvimento renal (pielonefrite) pode provocar uma disseminação das bactéria através do sangue causando uma infecção generalizada e grave (sépsis). A probabilidade de isto suceder é bastante superior nos três primeiros meses de vida, motivo pelo qual as crianças dessa idade com infecção urinária e febre devem ser internadas para melhor vigilância do tratamento e da evolução da infecção.

Veja aqui tudo sobre Mimar Crianças

Medo Parto

Medo Parto

Se quando você pensa no parto, tudo o que vem a sua cabeça são as cenas aterrorizantes que você viu em um filme ou novela pare um pouco e pense bem. Você conhece algum caso na vida real de uma mulher que tenha uivado de desespero ou tentado agredir o pobre marido na hora do parto ? Pois, é … Vamos encarar a realidade: Por mais que a indústria do entretenimento continue insistindo em apresentar o parto como dolorosíssimo, já se foram os tempos em esse era um evento marcado pela dor e pelo perigo de vida que sofriam a mãe e o bebê. Isso ocorria em outra época, quando os anestésicos ainda eram incipientes e a maioria das mulheres tinha os filhos em casa, num ambiente bem distante da esterilidade das salas de parto atuais. A verdade é que o medo parto hoje em dia não precisa ser muito doloroso. Isso porque as “quase-mamães” têm a sua disposição analgésicos como a peridural contínua (que é o tipo mais comum de anestesia em partos normais) que diminuem bastante o desconforto.

medo parto

Ninguém está dizendo que a mulher não vai sentir nada e que poderá passar o trabalho de parto todo lendo uma revista ou pintando as unhas. Mas ninguém vai uivar de dor também. Na maioria das vezes a aplicação da anestesia costuma só ocorre quando o trabalho de parto já está bem instalado, com uma dilatação de pelo menos uns 3 a 4 centímetros e contrações regulares. Até esse ponto a futura mamãe está sentindo as contrações que, embora não sejam agradáveis, não costumas ser insuportáveis. Isso porque se a anestesia for aplicada muito cedo, há o risco dela atrapalhar o transcorrer do trabalho de parto e até mesmo fazer cessar as contrações e dilatação. Mas, passado esse ponto, a anestesia pode ser aplicada com menos risco de interferir no trabalho de parto e tudo costuma transcorrer muito bem até o nascimento do bebê. Durante esse tempo a mulher terá sua capacidade de fazer força preservada, mas não sentirá dor.

Se nenhum desses argumentos te convenceu, que tal esse: se o parto fosse tão doloroso assim ninguém teria mais de um filho!

Por fim, vale lembrar que qualquer que seja a dor causada por um parto, ela sempre será mínima se comparada à enormidade da alegria que o nascimento de um filho representa.

Veja aqui tudo sobre Parto Fórceps 

Parto Fórceps

Parto Fórceps

O que é Fórceps

O Parto fórceps nada mais é do que uma grande pinça que é introduzida no canal de parto para ajudar a trazer a cabeça do bebê para fora.

Acontece que muitas mulheres ainda hoje estremecem só de ouvir a palavra fórceps. Mas por que esse instrumento causa tanto medo nas futuras mamães?

A verdade é que hoje em dia não há o que temer, mas há algum tempo atrás o uso do fórceps em partos complicados frequentemente deixava sequelas no bebê, podendo até mesmo causar a morte da mãe.

Parto fórceps consequências

Isso acontecia principalmente porque naquela época era comum o uso do chamado “fórceps alto”. Esse instrumento era introduzido bem fundo no corpo da mãe e puxava a cabeça do bebê quando ela ainda estava bem longe de chegar à abertura vaginal. Muitas vezes essa técnica resultava em cortes e hematomas na cabeça do bebê e, quando empregado por médicos com menos destreza, podia ocasionar lesões no útero materno e levar à morte por hemorragia. Mas ninguém precisa se preocupar com esse risco hoje em dia.

parto fórceps

Isso porque o fórceps alto não é mais utilizado e a técnica atualmente empregada pelos obstetras – o fórceps de alívio – é completamente segura.

Hoje em dia o fórceps só é empregado quando o bebê já está encaixado, ou seja, quando sua cabeça já está bem baixa, quase nascendo.

Veja aqui tudo sobre Penico infantil

Esse é o chamado ‘”fórceps baixo” e sua finalidade é a de ajudar a mãe no último estágio da expulsão do bebê. Essa técnica é empregada em cerca de 10% dos partos normais hoje em dia e não causa as lesões que assustavam nossas avós, sendo bastante segura. Ainda assim, em alguns casos o instrumento pode deixar uma marquinha na cabeça do bebê que com o tempo vai sumindo.

Parto Normal com fórceps

Penico Infantil

Penico Infantil

Provavelmente seu filho terá controle sobre seu intestino antes de ter sobre a bexiga, por isso é melhor começar a treiná-lo a fazer cocô. O uso do penico nesse primeiro momento é mais indicado do que tentar fazer a criança sentar no vaso sanitário que é grande e ameaçador para a maioria dos baixinhos. Assim que a criança der sinais de que quer evacuar, tire sua roupa e sente-a no penico infantil.

penico infantil

Então é o momento de ter paciência e de não apressar a criança. Uma boa ideia é oferecer a ela um livro para folhear, mas não deixe brinquedos à vista pois eles podem distrair a criança e fazer com que ela queira levantar-se antes da hora. Quando ela acabar, limpe seu bumbum, sempre da frente para trás, e elogie seu desempenho.

Nunca force uma criança a sentar-se no penico. Se a criança não parecer interessada em sentar-se ali, deixe passar mais alguns dias e tente novamente. Forçar as coisas em um momento como esse só trará prejuízos já que se a criança ligar o penico a algo ruim aí mesmo é que não vai querer sentar-se ali tão cedo. Lembre-se: por mais improvável que possa parecer no momento, seu filho logo logo vai aprender a usar o penico.

Quando eu posso esperar que meu filho tenha controle sobre sua urina e fezes ?

O controle sobre o movimento da bexiga e do intestino normalmente vem em algum ponto entre os 15 e os 18 meses, podendo demorar até os 24 meses sem que isso represente um problema. Não há como forçar uma criança a aprender a usar o banheiro antes que seu corpo esteja pronto para isso. As meninas, em geral, adquirem controle sobre a urina antes dos meninos. Os pais tendem a criar uma grande expectativa em torno desse assunto e é normal que queiram ver seus filhos se desenvolvendo bem. Mas é importante que mamães e papais se lembrem que as crianças são muito sensíveis ao nosso comportamento e percebem nossa ansiedade de longe, o que só contribui para sua própria ansiedade e insegurança.

O melhor caminho é tratar esse assunto com naturalidade e deixar cada criança descobrir seu momento de deixar de lado as fraldas e partir para o uso do penico.

Mictório Infantil

Descubra tudo sobre Criança Mimada – Clicando Aqui

Mimar

Mimar

O amor de uma mãe por seu filho é o sentimento mais intenso e incondicional que o ser humano conhece. A maioria das mães sempre põe os interesses do filho antes dos seus e muitas se sacrificam pelo bem estar da criança. Esse é um comportamento normal e não significa que a criança vai mimar.

mimar

Os problemas começam quando os pais fazem da criança o único centro de suas vidas. Essas crianças são levadas a acreditar que são o centro do universo e que não há nada mais importante do que ver seus desejos atendidos.
Na verdade a criança mimada “manda” nos pais já que eles estão sempre prontos a atender seus desejos, mesmo aqueles mais fúteis.

Criança Mimada

É preciso mostrar a criança que o mundo não gira a sua volta e que, por mais que a mamãe e o papai a amem e tentem fazer de tudo para agradá-la, há outros interesses em jogo. A criança tem que entender que seus desejos têm que se acomodar entre os desejos dos pais, dos irmãos e dos coleguinhas de escola. Por mais que ela queira o videogame, ela terá que esperar o Natal que é quando o papai poderá comprar o brinquedo. E ponto final.
Muitos pais que têm uma boa condição financeira se sentem culpados em dar sempre os brinquedos e roupas que as crianças pedem.

Os presentes em si não são os responsáveis por deixar a criança mimada. É a postura dos pais que faz isso. Se os pais podem, não há nada de mais em presentear o filho com o videogame de última geração ou dar à filha a boneca mais cara, desde que as crianças saibam o valor que tais presentes têm.

Veja aqui tudo sobre Carboidratos na alimentação infantil

Agora, comprar brinquedos sem nem mesmo a criança pedir e correr para substituir um brinquedo que a criança quebrou por outro novo na mesma hora são atalhos certos para se criar pessoas mimadas e sem noção da realidade.

Mimada significado

Carboidratos

Carboidratos: Fonte de Energia

Para muitas de nós, mães acostumadas a viver vigiando o peso e prestando atenção na dieta, os carboidratos podem soar como verdadeiros vilões. Mas a verdade é que o ser humano – e em especial a criança – não pode viver sem esse nutriente já que os carboidratos são a fonte primária da energia utilizada pelo organismo. Isso mesmo, assim como todos os seres vivos, nós precisamos de energia para realizar as tarefas do dia-a-dia.

carboidratos

Tanto aquelas tarefas que realizamos conscientemente como ler, andar ou pedalar uma bicicleta como as que nosso corpo realiza sem a nossa interferência como os batimentos cardíacos e a respiração. Todas essas tarefas só são possíveis se nosso organismo tiver energia para gastar. Por isso, a dieta da criança deve sempre conter carboidratos, preferencialmente aqueles chamados complexos, como os presentes nas batatas, massas e pães. Além disso, outra ótima fonte de carboidratos são as frutas e os sucos pois além desse nutriente eles fornecem vitaminas, minerais e fibras alimentares.

Se o organismo da criança não tiver acesso a esses alimentos, terá que conseguir energia por outros meios. É aí que começa a queima das gordurinhas armazenadas. A princípio não há mal algum nisso, afinal, as gordurinhas estão ali para isso mesmo mas, com o passar do tempo, se o organismo da criança for sistematicamente privado de carboidratos em quantidades suficientes, o desenvolvimento da criança pode ficar prejudicado, como um motor que fica sem combustível.
Por isso, nunca deixe de incluir massas, tubérculos e açúcares (de preferência proveniente das frutas) no cardápio dos pequenos.

Só não vale exagerar na mão e encher a criança de biscoitinhos, docinhos e balas. Esses alimentos contém principalmente carboidratos simples que, embora também forneçam energia, são bastante prejudiciais à criança. Isso porque eles dispensam o processo digestivo, sendo absorvidos rapidamente pelo organismo e contribuindo em muito para o acúmulo de gordura.
Como se vê, embora indispensáveis, os carboidratos devem ser utilizados de maneira consciente pois, se oferecidos à criança em exagero, podem levar à obesidade infantil, que é um quadro bastante sério e que pode acarretar outros problemas como a diabete e a hipertensão na fase adulta.

Descubra tudo sobre Epidural – Clicando Aqui.

Epidural

Epidural

Todas as grávidas querem ter um parto sem dor e hoje em dia a analgesia epidural, é possível.

Epidural

No entanto apesar de ter enormes vantagens não deixa de ser uma técnica invasiva com alguns inconvenientes. Vamos conhecer quais são eles:

Quem administra ?

A pessoa encarregue dessa função é o anestesiologista. mais conhecido por ” anestesista “. Já conhece bem a técnica e tem muita experiência, pois a epidural tem que ser administrada corretamente.
A administração da epidural é dolorosa?

A grávida não sente qualquer dor porque antes de introduzir a agulha é aplicada uma anestesia local na zona lombar.

Epidural dor no parto

Como se administra ?

A grávida tem que estar sentada ou deitada de lado, as costas curvadas e não se pode mexer durante todo o processo.

Depois de anestesiar a zona o anestesista introduz uma agulha nas costas da grávida. Através da agulha introduz-se um tubo que é muito fininho chamado catéter pelo qual se injetará a substância.

O que contém a analgesia epidural?

Inclui anestésicos locais como cloroprocaína, bupivacaína e lidocaína.

Quanto tempo ela demora a fazer efeito?

Ela demora a fazer efeito cerca de 20 minutos, por isso se a grávida já tiver a dilatação muito avançada não faz sentido recorrer a esta anestesia porque o nascimento pode acontecer antes de a grávida notar os efeitos da epidural.

Em que fase do parto pode ser administrada?

Aplica-se quando o cólon do útero tem uma dilatação entre os 3 e os 4 centímetros.

A epidural tem efeitos colaterais?

Numa percentagem muito baixa pode causar:
-Náuseas.
-Retensão de urina.
-Hipotensão.
-Muito menos frequente Cefaleias.

Em que casos não é aconselhável?

-Pre eclâmpsia. (Clique aqui)
-Problemas respiratórios.
-Alterações na coluna vertebral.
-Problemas de coagulação de sangue.
-Doenças infecto-contagiosas.
-Alergia a algum dos componentes da anestesia.

Se tiverem mais algumas dúvidas entre contato com seu médico.

Hemorroida na gravidez

Hemorroida na Gravidez

A gravidez é normalmente um momento maravilhoso na vida de uma mulher. Mas, infelizmente, há certas mudanças que muitas mulheres experimentam que são incomodas ou até mesmo dolorosas. A constipação é uma queixa bastante comum durante a gravidez. A constipação é quando você tem dificuldade em ter um movimento intestinal ou não tem um por vários dias. Pode ser devido à sua dieta, hormônios de mudança, muito suplemento de ferro ou a pressão de seu bebê. Seja qual for a causa, não é divertido.

Hemorroida na Gravidez

Aqui estão algumas dicas que podem ajudar com prisão de ventre:

• Beba mais água.
• Evite cafeína.
• Escolha a abundância de alimentos ricos em fibras, incluindo frutas, vegetais crus, grãos e cereais integrais.
• Sucos, como suco de ameixa, podem ajudar também.
• Mova mais e sente-se menos. A atividade regular, como caminhada, pode ajudar muito.

As mulheres grávidas que sofrem de prisão de ventre, muitas vezes têm hemorroidas.

O que são hemorroidas?

As hemorroidas são veias ao redor do ânus ou do reto que se inflamam ou dilatam. Durante o movimento intestinal, essas veias dilatam-se e retraem-se voltando ao tamanho normal. No entanto, o esforço repetido para evacuar, seja por intestino preso ou fezes endurecidas, pode dificultar o processo de drenagem do sangue e provocar a formação de hemorroidas.

Hemorróidas são bastante comuns durante a gravidez, especialmente durante o terceiro trimestre.

Durante a gravidez, o seu corpo tem mais sangue circulando em suas veias. Todas as suas veias, especialmente aqueles abaixo de seu útero, tornam-se dilatada. Sempre que tiver sangramento retal, consulte seu médico mesmo se você suspeita que é devido a uma hemorroida.

Clique aqui e veja tudo sobre Aborto espontâneo

Algumas mulheres têm, pela primeira vez quando estão grávidas, e se você tinha hemorroidas antes da gravidez, é provável que as hemorroidas aparecem. As hemorroidas também podem aparecer durante a segunda etapa do parto, enquanto você está empurrando. É comum mulheres queixar da hemorroida após o parto. Na maioria dos casos, as hemorroidas por si só desaparecem, logo após o nascimento.

Embora muitas pessoas tenham hemorroidas nem todas os sintomas . O sintoma mais comum das hemorroidas internas é sangue vermelho vivo cobrindo as fezes, no papel higiênico ou no vaso sanitário. No entanto, uma hemorroida interna podem sobressair através do ânus para fora do corpo, tornando-se irritada e dolorosa.

Os sintomas das hemorroidas externas podem incluir inchaço doloroso ou um nódulo duro em torno do ânus que resulta quando um coágulo de sangue. Esta condição é conhecida como uma hemorroida externa.
Além disso, o esforço excessivo, esfregar ou de limpeza ao redor do ânus podem causar irritação com sangramento e / ou coceira, o que pode produzir um ciclo vicioso de sintomas. Drenagem de muco também pode causar coceira.

aliviar hemorroidas

Como aliviar as dores da hemorroida

Primeiro mudar os hábitos alimentares para evitar a constipação, uma dieta a fase de fibra, legumes e verduras, se possível diminua os carboidratos simples como arroz branco, bolachas, pães.

  • Beba bastante água.
  • Exercícios de Kegel (ver explicação abaixo). Estes exercícios aumentam a circulação na área retal e fortalece os músculos ao redor do ânus e, portanto, menos propensos a ter hemorroidas. Exercício de Kegel também fortalecer e tonificar os músculos ao redor da vagina e da uretra, o que ajuda o corpo a se recuperar após o parto.
  • Evite papel higiênico, procure lavar e secar bem a área ou lenços umedecidos de bebe, essas medidas produzem menos irritação.
  • Evite ficar sentada e em pé por longos períodos de tempo, o que pode colocar pressão sobre as hemorroidas. Se o seu trabalho exige que você fique sentada, levante e se mova por alguns minutos, em intervalos de cerca de uma hora. Em casa, deite sobre seu lado esquerdo, sempre que você dormir, ler ou assistir televisão, para remover a pressão sobre as veias retais e facilitar o fluxo de sangue que retorna do corpo.
  • Massagem com cubo de gelo: Aplique um bloco de gelo ( revestido em um pano) sobre a hemorroida, várias vezes por dia. Gelo pode ajudar a reduzir o inchaço e desconforto. Muitas mulheres encontram um efeito calmante sobre compressas frias embebidas em hamamélis.
  • Banho de assento morno: sente-se em água morna o suficiente para cobrir as hemorroidas, tanto em sua banheira ou em uma bacia que se encaixa no vaso sanitário, por cerca de 10 a 15 minutos algumas vezes por dia.
  • Alterne o tratamento com gelo com o banho morno. Comece com um cubo de gelo seguido de um banho de assento com água morna.

Há muitos produtos para aliviar as hemorroidas, mas verifique com seu médico antes de tentar usar uma de sua preferência. A maioria destes produtos deve ser usado apenas para tratamento de curto prazo (uma semana ou menos). O uso contínuo pode causar inflamação ainda mais.

Parto de Lótus

Parto de Lótus

O nascimento de lótus ou parto de Lótus é a prática de não cortar o cordão umbilical. No parto de Lótus; o bebê permanece ligado a sua placenta – sem cortes ou grampeamento- até que o cordão cair naturalmente cerca 3 a 10 dias após o nascimento. Deste modo, o bebê e a placenta são tratados como uma única unidade até o caimento do cordão. Este contato prolongado pode ser visto como um momento de transição, permitindo que o bebê de forma lenta e suavemente deixar de ir o apego ao corpo da mãe.

parto de lótus

Quando o bebê nasce 1/3 de seu sangue ainda está na placenta, é uma extensão de seu próprio corpo e seu mantenimento até no mínimo 4 horas, permite que os pulmões do bebê, se adaptem mais cautelosamente ao exercício respiratório e seu corpo receba boa parte do sangue e nutrientes ainda contidos na placenta, é considerável pedir permissão ao bebê para se cortar o cordão umbilical e observar sua resposta.

Clique aqui e veja sobre Ácido Fólico.

Embora não tenhamos registros escritos de culturas do parto de lótus, muitos povos tradicionais segurar a placenta com alta estima. Por exemplo, povos Maori da Nova Zelândia enterram a placenta ritualmente na marae ancestral, e os hmong, uma tribo morro do Sudeste da Ásia, acreditam que a placenta deve ser recuperada após a morte para garantir a integridade física na próxima vida: a placente de um bebê Hmong é enterrada no interior da casa de seu nascimento.

Parto de Lótus é um ritual novo para nós, tendo apenas sido descrita em chimpanzés antes de 1974, quando Clair; Lotus – grávida e vivendo na Califórnia – começaram a questionar o corte do cabo de rotina. Sua pesquisa levou-a a um obstetra que era simpático aos seus desejos, e seu filho Trimurti nasceu no hospital e levado para casa com o cordão sem cortes. Parto de Lótus foi nomeado e semeado por Clair de Jeannine Parvati Baker nos EUA e Rachana Shivam na Austrália, ambos têm sido fortes defensores desta prática suave.

parto lótus

Desde 1974, muitos bebês já nasceram dessa forma, incluindo os bebês nascidos em casa e no hospital, na terra e na água, e até mesmo por cesariana. Parto de Lótus é uma extensão do belo e lógico do parto natural, e nos convida a recuperar o estágio chamado terceiro de nascimento, e para honrar a placenta, fonte primeira do nosso bebê de alimento.

Imediatamente após o parto, o cordão umbilical pulsa e transfere sangue da placenta para o bebê, e vice-versa. Em seguida ocorre alterações na medula da geléia de Wharton, ela produz uma camada interna para o aperto dentro de 10-20 horas após o parto.

O excesso de fluidos são tirados da placenta e depois ela é colocada numa tigela, embrulhada em pano permeável para o ar secar a placenta e mantido em estreita proximidade com o recém-nascido. Para neutralizar o cheiro de decomposição e por suas propriedades antibacterianas, sal marinho é frequentemente aplicado à placenta para ajudar a seca-la e óleos essenciais como lavanda, neem ou goldenseal. Se essas técnicas forem aplicadas corretamente, a placenta desenvolverá um aroma almiscarado, que pode planta-la; armazenar no freezer .

Nascimentos Lotus são raramente praticada nos hospitais, mas são mais comuns em casas de parto e em partos domiciliares.